SEE YOU ALL






Chapéu CHEAP MONDAY Calçado BIRKENSTOCK Calças USADO RECICLADO Camisola MAFALDA FONSECA Cava PROENZA SCHOULER Óculos VINTAGE



Uma das resoluções para 2016 foi voltar a publicar #outfitlooks com maior frequência. E logo no final de 2015 comecei a preparar alguns (sim porque as roupas têm de ser compradas antes) e com o apoio de um amigo conhecido recentemente consegui materializar essas ideias e durante este mês revelarei os primeiros dois editoriais. Como habitual, nada que compro primeiro, e logo depois visto, é comum ou vulgar, escolho peças que exaltam as minhas ideias, as coisas que me inspiram, e tento me rodear de objetos bonitos. Há muito que ter uma peça dos meninos de Proenza Schouler era um sonho de consumo, do qual até já falei aqui. Mas usar um tank top sem nada por baixo em Janeiro, não pareceu uma ideia sensata e exequível. Então decidi misturar com uma camisola polar sintética da Mafalda Fonseca, uma das minhas preferidas durante os meses de inverno. E depois tudo acabou por fazer sentido, o lado confortável dos chinelos, o chapéu de basebal felpudo, e até os óculos rêtro futuristas. Afinal é essa identidade inquieta que tão bem me caracteriza.

Fotografia: Cristiano Nunes

!NSPIRAÇÃO:FEVEREIRO



Abnegação. Retroversão.

Alguém me questionava no outro dia, porque raio certas obras artísticas ganham um cunho tão esmagador e pesado apesar de que à primeira vista elas pudessem ter sido criadas por qualquer pessoa com uma câmara fotográfica. Como essa imagem que eu fotografei com as luzes neon azuis difusas do autocarro que me trouxe do Porto para Viana e os ramos das árvores raiando as nuvens. Porque esse interesse entre o real, e o que não é. Entre o que nos olha e o que olhamos...sempre me apoquentou e continua a inquietar. Fevereiro é sobre essa focagem turva num objetivo que ainda não está totalmente garantido. Encarar o futuro como uma miragem que se vai construindo paulatinamente. Reconverter os fragmentos, as memórias em pedaços componentes de uma nova história que começa agora a ser desenhada, captada, fotografada.

BAGS WITH BENEFITS

A época de saldos foi profícua, pelo menos no que toca a bolsas. Algumas pessoas acham-nas inúteis ou que só servem para ocupar espaço e ganhar pó. Eu não penso dessa forma, as que adquiri recentemente são práticas e funcionais com um toque vanguardista e confortável que eu tanto aprecio. Da bolsa de cintura peluda ao saco de mantimentos espaciais o difícil vai ser mesmo saber qual estrear primeiro.

Mochila  H&M

MEINEN BERLIN EGOISMUS


O meu egoísmo em Berlim foi de tal ordem que até foi numa exposição retrospetiva que descobri essa expressão, na qual uma artista entrevista diversas pessoas lançando o repto: "Ich schame mich fur" algo como "eu tenho vergonha de..." E numa das molduras uma das respostas de uma rapariga era precisamente que tinha vergonha do seu próprio egoísmo. É VERDADE, eu sofro do mesmo, o que não invalidou o facto de me ter sentado todos os dias a uma mesa sozinho a jantar. Mas andei lindamente sozinho e auto-suficente numa cidade formalmente organizada, integrada num gelo cortante, mas com o melhor do mundo sempre ao seu alcance. Não esperei mais de 3 minutos por um serviço de transporte público. Comi num restaurante turco, asiático de street food de fusão, polaco, mexicano e finalmente no último dia da minha estadia num de comida tipicamente alemã. Que dizer da "simpatia" de uma funcionária do museu do Deutsche Bank no qual está até Abril em exibição o Mural do Jackson Pollock, só porque eu cheguei ás 9:50 (o museu abre ás 10) ela mandou-me dar uma volta e esperar ao frio cá fora. It's a German! Não obstante, visitei quase todas as lojas conceptuais de moda, e cada uma superava a anterior, mas infelizmente a minha mesada ainda não permite gastar em peças de roupa tão caras ou em objetos de design perfeitos para colocar numa estante. Isso foi o que decidi espalhar na cama assim que cheguei a casa, não liguem ás gomas em forma de monumentos alemães.