PIPE DREAMS








substantivo: an unattainable or fanciful hope or scheme.

sinónimos: fantasy, false hope, illusion, delusion, daydream, chimera, castle in the air, castle in...


Não muitos se alinham num manto coberto de verde, se emaranham num bucólico distópico, talvez essa seja a primordial característica do meu espaço de cesuras e costuras de versos. Assumo nitidamente uma postura controversa nessa construção orgânica de uma personagem vestida, em camadas sobrepostas harmónicas, flutuantes hesitantes entre o real e o imaginário, como se fossem feitas de matéria de sonhos. Porque o vestuário é isso mesmo uma escolha ambivalente entre o respeito pela norma e a divagação criativa do ego. Vais derivando, acentuando um ou outro aspeto, crias e recrias uma pluralidade de interpretações, repetes as mesmas peças, e parece que sempre que as usas elas aportam algo de novo à tua identidade.
Mais do que a música, uma esperança difusa no ar que perscrutas...

!NSPIRAÇÃO:ABRIL


É imaterial, disperso propenso a um refúgio, a maneira de captar, capturar uma ideia.
Por sombras nunca antes velejadas atravessarei a crítica de fio a pio, e livrando-me do mal, caminharei por atalhos e trilhos e no modo condicional instalarei sem medo todas as possibilidades. Porque na deriva da vida, a vida vira e sem dar conta, todos os traços começam a fazer sentido. O que dissipar, deslindando linha a linha, cada palavra e sempre acreditar.

DERRAPANDO NA CURVA




Ninguém faz mais moda de qualidade no Porto e do Porto para o Mundo, que Luis Buchinho

Desde as pedras da calçada ao litoral português, ao ginásio de uma escola preparatória, linhas travessas, grafismos a giz e cinza que são elevados estação após estação até ao limite, sem cair na repetição.

Silhuetas rectilíneas derrapando numa curva apertada, não se sabe bem onde começa nem onde acaba.

Cada passada é determinada, cronometrada, as peças futuristas e funcionais evoluem paulatinamente na construção dessa identidade destemida.

Sacos largos, luvas altas, óculos escuros o combo citadino com um travo a maresia. São como as linhas do horizonte no Terminal de Cruzeiros, uma constante obsessão de Buchinho.


Seguindo a sua pegada, a moda portuguesa vai caminhar urbana, irreverente e ousada.

BLOOM IN


[MARIA KOBROCK]


Bermudas H&M Botas FLY LONDON Calças JUST CAVALLI Camisola de gola alta ZARA Camisa EDUARDO AMORIM Óculos ZARA

[EDUARDO AMORIM]



Não deixa de ser curioso, o novo coordenador do Bloom ter também apelido de flor. Piadas à parte, nesta edição, tudo apareceu bem organizado, da música ao set, ao facto dos desfiles praticamente não terem sofrido atrasos. E os jovens criadores enveredando por diferentes caminhos lá vão desenhando o seu percurso, no mundo cada vez mais complexo da moda. Aprecio e valorizo o esforço de todos, mas obviamente que uns me saltam mais à vista que outros. Uma das coisas que mais gosto de ver em desfiles são peças ousadas mas usáveis. Peças originais nas quais observo potencial não só criativo mas lucrativo. Daí as minhas propostas preferidas terem sido as duas dos sapatinhos felpudos referidos. Por um lado o conceito forte e a inocência dos tecidos (Maria Kobrock) por outro o barroco elevado ao techno numa espécie de clássico rebuscado (Eduardo Amorim). Propostas tão distintas mas igualmente interessantes para mim, a suavidade de uma contrasta com a pujança da outra. E poderia continuar a estabelecer comparações. Mas prefiro adiantar-me a elogiar o coordenado meio desfiado de Amorphous ou o casaco aeroespacial de David Catalán, de resto a única imagem que partilhei nas redes sociais. Outra coisa que me desagrada muito, as pessoas precisarem de validar a sua existência, também me sinto vítima disso, mas algumas abusam, querem capturar tudo. Tudo que é demais cansa. Mas sim como já chegou a primavera este dia do Portugal Fashion 40, tinha tudo para ser um bom florescimento, que os restantes lhe sigam o exemplo.