UGLY SHOES

19 dias sem comprar uma única peça de roupa (para mim). Chegaram finalmente os dias de sol e apesar da temperatura ter subido um bocadinho, parece que estou a usar peças que costumo vestir no Outono...Aquela velha história de Outubro em Maio. Atípico e solícito, bem antes de iniciar o desafio, ainda em Abril passei por uma loja de chineses com o intuito de adquirir umas Crocs (tipo de sapatos que eu abomino) e dei de caras com estas sandálias/chinelas perfuradas com o seu toque híbrido, fresco e tosco que eu tanto venero. Aboli as Crocs (nem sei se alguma vez as conseguiria usar) e trouxe estas comigo para intercalar com outras que uso praticamente a diário, seja para ir ao supermercado, seja para ir ver uma exposição, são extremamente versáteis e confortáveis. Uma t-shirt branca a única decente que tinha está manchada, a outra tem um borrão preto, e sem querer divagar muito é uma agonia saber que estamos quase no Verão e não tenho nem uma camisola branca. Ver as montras já não me afecta tanto como quando iniciei o desafio, evito ao máximo falar de roupa, mas é algo que paira sempre na minha cabeça. A ver se sobrevivo aos dias finais do desafio...

!NSPIRAÇÃO:MAIO

Alguma determinação e muita contenção para levar avante, um desafio que seguramente alterará por completo a minha forma de estar bem como o meu modo de consumir. Maio servirá de experiência: abdicar de comprar roupa durante um mês, não deve estar ao alcance de todos, especialmente daqueles que sempre tiveram uma peculiar afeição por moda e compras. Existe algo mágico em olhar para um montra, procurar a peça ideal, ou o artigo com o maior desconto, algo enigmático que salta ao olho, sobre o qual sentimos de imediato que tem de passar a viver no nosso armário. Essa magia poucas pessoas conseguem compreender, é um conforto que requer muita prática e devoção, muitas escolhas difíceis que variam consoante a nossa inspiração. Ora a deste mês é precisamente, reavaliar, redescobrir peças perdias no armário, explorar os looks passados capturando a essência de cada um deles, e trazer ao agora, essas referências dispersas, sem gastar um cêntimo em algo novo. Mais do que um exercício que me permitirá poupar algum dinheiro, será também um ensinamento para aprender a viver satisfeito com menos. As palavras estão lançadas, resta desejar que os actos não saiam defraudados.

HERE COMES THE SUN


Calças UR Calçado BIRKENSTOCK Luvas VINTAGE Sweater J.W. ANDERSON 

Este editorial foi inicialmente descartado por me parecer demasiado simples, meses passaram desde a data em que foi capturado, e hoje decidi que num dos últimos dias de Abril ele devia aparecer aqui como uma fonte de esperança, uma luminosidade difusa, muito ligada à ideia de que depois de algo menos positivo virá algo mil vezes melhor. Posso até andar semanas disperso sem publicar, mas a alma nunca se apaga, a minha paixão por moda e poesia também não. Um novo e difícil objectivo está para vir, apresentar e depois cumprir no desenrolar de Maio. E até lá, vive-se a vida com responsabilidade e moderação sem ter de a esparramar completamente através de um código HTML.

PURE BLOSSOMS

Polo PETER MURRAY

O tempo tão tremendamente instável de Abril, não para de fazer das suas, e eu sonho de rompante com tecidos suaves, como linho e algodão, bem junto ao corpo, naquelas noites quentes de verão, dos jantares até às tantas, com o pé na areia e uma mão bem junto ao coração. Eu vou lançar um desafio para mim mesmo, não adquirir nenhuma peça de roupa durante o mês de maio, reciclar outra grande parte, e depurar-me de tudo que possa estar estagnado, permitindo uma renovação das energias. Tenho velejado numa maré de beges, talvez por me ter fartado do preto, ou dos padrões o que é certo, é que me sinto muito inspirado por estas tonalidades. Até no meu quarto elas pairam em cada canto. Falando de coisas mais levianas, a minha ética de consumo vai se alterar um pouco, não é que vá deixar de consumir, não seria capaz (nem era saudável para a economia) mas vou fazê-lo de uma forma mais ponderada, nunca relegando as minhas motivações mais estéticas. Pelo que só irei adquirir peças das grandes cadeias em saldo, e sobretudo peças que por um motivo ou por outro sejam demasiado apelativas e não se encontrem em mais nenhum lado. Depois elegerei algumas peças tendência para cada estação, e claro comprarei as que me forem possíveis mas em menor quantidade. Já não sei o que fazer a tantas camisas com padrões havaianos, e já me descartei de dois ou três exemplares. Parêntesis no desabafo, pausa na respiração. Para acrescentar que já não comprava um polo desde os meus 12/13 anos de idade, e é uma peça muito masculina mas com a qual nunca me senti demasiado confortável ao usar, porque os meus bicéps são excessivamente finos e compridos. Ossos do ofício! A camisa de linho parece de pijama mas vai ser tão fácil sair à rua com ela e com uns calções brancos, de dia, ou calças brancas mais para à noite.

Camisa PROGRESSIONS