OLXIQUE



E se as minhas sugestões de compras passassem a ser feitas com produtos à venda no OLX? Descobertas inusitadas são uma variável recorrente nas minhas pesquisas, que passam sempre pelas palavras "vintage", "chanel", "transparente", "sandálias 42" ou algo que desflora nessa rede conceptual deveras marginal. Contudo depois de longas horas a fio à procura de algo especial e escandalosamente barato, há sempre algum trapo que fascina, ou pela marca que translucida na minha imaginação, ou pelo feitio de um comprador que se quer livrar descaradamente de uma peça que comprou por compulsão extrema, não sendo capaz de repensar e reflectir antecipadamente, antes de desgastar tempo numa fila à espera, e dinheiro pois acaba por vender a peça a uma pechincha comparando com o preço original. Depois existe outra elite, que se quer desfazer não por capricho (de quis, mas nunca irei usar) mas mesmo por necessidade (usei, mas já não me serve e o dinheiro dava-me jeito). À custa dessa brincadeira já consegui sapatos que custavam quase €150 (em loja) por menos de metade do seu preço original. Variedade e a facilidade de comunicação com os vendedores são outras das coisas que mais me atraem nesta plataforma de vendas online. Existem depois as réplicas falsas, a contrafacção e outras abomináveis práticas, como aquelas precárias e longas importações da china, uma sweater estampada por exemplo, que acaba por ficar retida na alfândega, passado mais de um mês da presumível compra. Terei eu já adquirido algum destes produtos?

1 comentário: