TIME TO DANCE


Solto as feras que vivem no meu covil seráfico. Não me atrevo a sorrir, para que os outros sintam; não me atrevo a viver, para que os outros vejam. 
José Duarte Saraiva 'silêncio de sombras tatuado'

São raros os vídeo clipes que surpreendem e recriam uma atmosfera agressiva e poderosa, para a qual a música parece ter sido o eco sonoro mais adequado. Sintetizar em escassos minutos uma história e fazê-la abraçar uma música turbulenta, tem algo de mágico e  deveras perturbador. Não sei se ganha mais a música depois do vídeo, ou o vídeo depois da música, sei que se articulam, dançam, como se não houvesse tempo (outro bom exemplo aqui), com o mero propósito de despoletar as emoções, e descarregar energias. Desregrado, desgarrando-se dos limites, ficamos sem saber a quem obedecer, ao impulso das batidas, ou à repulsa causada pelas imagens que aparecem no vídeo.

Sem comentários:

Enviar um comentário