PONTOS SUSPENSIVOS

Bar suspenso | Casa da Música
Jardim Botânico
Busto Sophia de Mello Breyner Andresen
Café au Lait | Nos Em D'Bandada

Porquê nesses sonhos abandonados, gelados de framboesa e esperas calcinantes em filas fazem os três pontos dar sentido a uma semana que se esvai como um parágrafo esquecido. Um espaço bucólico no Porto a que ninguém vai, plantas que trepam e recobrem a poetisa, mas nunca escondem a poesia. Essa deve ter ficado entranhada nos arbustos, ou suspensa no ar flutuante da brisa que corre pelo jardim. O que a vista teme é a geometria do caos, a fluência indeterminada do futuro. Tal como o mar chega, e a música entra nos ouvidos sem pedir autorização. E o concerto perdido de HHY & The Macumbas (no Primavera Sound), numa obtusa e sufocante escuridão se vê agora num Plano B, um espaço mais sucinto e propenso a essa rufada de perversão, para uma performance incrível que bombeia os mais hipertensos e faz-nos perceber que o estado da música em Portugal é digno de um arrepio cardíaco. Para mim foi o expelir de energias que já havia previsto no post em que os dava a conhecer. O ciclo se fechou e mais tarde ou mais cedo quase tudo se concretizou. O tempo é que nem sempre é suficiente para viver e escrever. Suspende-se uma (acção) em detrimento da outra, e a conversa é sempre a mesma e pouca.

Sem comentários:

Enviar um comentário